Codependência: como reconhecer esta doença

Com participação de nosso articulista colaborador, o advogado e especialista em dependência química Piti Hauer, este documentário da TV Evangelizar fala sobre a codependência. Definida como um transtorno de relacionamento caracterizado pelo fato de uma pessoa ser controlada pelo comportamento de outra pessoa a qual é ligada emocionalmente, a codependência é classicamente mais definida dentro da clínica das dependências de substâncias psicoativas. Leia mais

Café: Herói ou vilão?

Basta uma xícara de café para a dor de cabeça desaparecer. O tratamento baseado na mesma substância causou o problema como se um médico gerasse a doença e em seguida oferecesse para curá-la. Não teríamos muita simpatia para com esse profissional, tão logo descobríssemos os seus métodos. Mas é exatamente assim que atua a cafeína e muitas outras substâncias psicoativas como a cocaína, álcool, nicotina e alguns medicamentos. Prometem alívio para o problema que eles mesmos causam. Leia mais

Tem pai que é cego!

Na década de 1980, Jô Soares em seu programa “Viva o gordo” fazia, entre muitos, o personagem Tavares, pai excessivamente indulgente com seu filho e responsável pelo famoso bordão “tem pai que é cego”.

Com sua verve habitual, Jô encarnava o personagem que não via certas tendências do rebento, apesar de o comportamento do filho demonstrar o contrário do que apregoava. A frase, então, tornou-se famosa por expressar a superproteção paterna que impede o pai de ver o que realmente se passa com seus filhos. Leia mais

Uma oração como pedra angular dos A.A

Não se sabe ao certo quem escreveu pela primeira vez a oração da serenidade. A origem do texto, em si, é um mistério. Alguns pesquisadores dizem ter ela vindo dos antigos gregos; outros acham que ela saiu da pena de um poeta inglês anônimo; ainda outros afirmam ter sido ela escrita por um oficial da Marinha Americana. Ainda existem outros que vão mais longe, atribuindo sua autoria a antigos textos sânscritos, a Aristóteles, São Tomás de Aquino, Santo Agostinho e Spinoza. Mas ninguém encontrou, realmente, o texto da oração entre os escritos dessas supostas fontes originais. Leia mais

Jesus Ressuscitou! Aleluia!

A ressurreição de Cristo não se reduz à revitalização de um indivíduo qualquer. Com ela foi inaugurada uma dimensão que interessa a todos seres humanos.

Acreditar na ressurreição de Jesus, para o cristão, é uma condição de existência: é-se cristão porque se acredita que Jesus está vivo, triunfou da morte, ressuscitou, e é, para todos os humanos, o único mediador entre Deus e os homens. Dessa mediação participam a seu modo tudo aquilo (o universo e tudo aquilo que contém) e todos aqueles (dos mais sábios aos mais humildes) que, pela vida e pela palavra, proclamam o poder e a misericórdia de Deus que sustenta todo o universo e chama todos a participar de sua vida. Leia mais